Dê uma nota para meu blog


 Comunidade Filmes de Lobisomem (orkut)
 Boca do Inferno
 Omelete
 Juvenatrix
 Carpe Nocten





Filmes de Lobisomem


O Lobisomem (1941)

   Os lobisomens foram criaturas que tiveram bem menos atenção no cinema que os vampiros e outros monstros, talvez pelo fato da complexa maquiagem exigida e efeitos especiais que envolviam altos custos e tempo de preparação. E apesar dos outros monstros sagrados do Horror desfilarem durante toda a era do cinema mudo, o primeiro filme apropriado de lobisomem só veio em 1935 pela Universal com “Werewolf of London”. Entretanto, a necessidade do monstro como personagem principal ser simultaneamente simpático e ameaçador ao público, acabou trazendo dificuldades e juntamente com a atuação irregular de Henry Hull como o lobisomem, esse filme acabou sendo um fracasso de bilheteria. Como todos os filmes da Universal das décadas de 1930 e 40, “Werewolf of London” é divertido de se assistir, mas bem abaixo das outras produções da época.

    Somente em 1941, a Universal tentou novamente com esse tipo de monstro, e fez “O Lobisomem” (The Wolf Man), que foi um grande sucesso, tornando-se um clássico na filmografia de Horror e sendo o principal filme de lobisomem no gênero.

   O lobisomem foi interpretado brilhantemente pelo ator Lon Chaney Jr., filho de Lon Chaney, grande artista do cinema mudo. Esse papel solidificou Lon Chaney Jr. também como um dos importantes atores do Horror e o impulsionou para sua participação em diversos outros filmes.

   A maquiagem da criatura é um impressionante trabalho de Jack Pierce, maquiador principal da Universal, responsável também por outros monstros sagrados do Horror como a “criatura de Frankenstein” e a “Múmia”, ambos interpretados pelo grande Boris Karloff no início da década de 30. Esse fascinante trabalho consumia pelo menos seis horas caracterizando o ator Lon Chaney Jr. em lobisomem. A maquiagem era tão complexa que as sequências onde ele transformado na fera voltava a ser homem, levaram vinte e duas horas de filmagens. Um enorme trabalho, não imaginado pelo público, e que levava apenas alguns segundos no filme.

   “O Lobisomem” foi um grande sucesso de público. Além do eficiente roteiro do prestigiado escritor Curt Siodmak, o filme contou com impressionantes cenários com castelos góticos e sequências filmadas à noite em florestas com espessas e intensas névoas, misturadas à árvores fantasmagóricas. O filme foi um sucesso pelo conjunto de toda a obra, desde a música, cenários, maquiagens, direção de arte e principalmente pelo extraordinário elenco formado por, entre outros, Bela Lugosi, Claude Rains e Lon Chaney Jr.

   Lugosi (de “Drácula”, 1931) também recebeu um pequeno papel, interpretando um cigano visionário chamado Bela (que coincidência!), e que à noite se transformava em lobisomem. Teve uma grande performance, onde explorou muito bem a tragédia de seu personagem, possuído por uma terrível e incontrolável sede de matar, e que transferiu sua maldição para Larry Talbot (Lon Chaney Jr.) antes de ser morto por ele. O elenco inclui ainda  Maria Ouspenskaya, que interpretou sabiamente sua idosa mãe cigana Maleva.

   Já Claude Rains interpretou, entre outros, os personagens homônimos em “O Fantasma da Ópera” (1943) e “O Homem Invisível” (1933). E em “O Lobisomem” foi John Talbot, o pai do personagem de Lon Chaney Jr.

   A história desse clássico começa com a chegada de Larry Talbot (Chaney), um jovem estudante, que retorna a sua cidade natal no ancestral castelo de sua família, após muitos anos distante. Num passeio noturno à lua cheia, ele vê um lobo matar uma mulher e ao tentar salvá-la acaba matando o animal com sua bengala com a ponta de prata. Porém, é mordido pela fera, que na verdade é um lobisomem.

   O popular “lobisomem” ainda apareceu em outros quatro filmes posteriores, “Frankenstein Meets the Wolf Man” (43), “House of Frankenstein (44), “House of Dracula” (45) e “Abbott and Costello Meet Frankenstein” (48). Porém, todos eles suportados pela presença de outros grandes monstros do Horror.

   Enfim, “O Lobisomem” (The Wolf Man, 1941) é o principal filme desse instigante personagem do Horror e que marcou intensamente sua importância na galeria das grandes obras cinematográficas desse gênero.

 

 

   Texto de Renato Rosatti, publicado originalmente e de forma integral em www.bocadoinferno.com e www.juvenatrix.blogspot.com .



Escrito por Lobo Mau às 15h52
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Um Lobisomem Americano em Londres

 

   Dentre os maiores sucessos do cinema de horror oitentista, certamente se inclui “Um Lobisomem Americano em Londres”, dirigido por John Landis em 1981, e que está completando 25 anos de seu lançamento ainda desfrutando do status de clássico inquestionável, se mantendo atual tanto em termos de recursos técnicos quanto em relação à qualidade de seu enredo.

       Os primeiros vinte minutos do filme já são praticamente um show à parte, que deveria servir como referência para muitos diretores atuais, como exemplo de como se pode criar, em poucos minutos, um clima de suspense e perigo iminente que realmente deixa o espectador tenso e conectado ao que está assistindo.

       O filme começa com os créditos aparecendo em meio a imagens das desoladas e inóspitas paisagens do interior da Inglaterra, ao som de “Blue Moon” interpretada magistralmente por Sam Cooke. Já está anoitecendo e o céu obscuro não promete nada de bom, quando então vemos uma camionete repleta de ovelhas parar junto a uma encruzilhada. Do meio das ovelhas saem David Kessler (David Naughton) e Jack Goodman (Griffin Dunne), dois amigos norte-americanos que estão passeando pela Europa. O motorista da camionete lhes indica o caminho até o vilarejo mais próximo, e lhes adverte para que “evitem os pântanos e fiquem na estrada”. Os dois seguem caminhando e conversando descontraidamente, hora reclamando do frio, hora motivados com as expectativas da viagem. Já nesse momento se percebe a perfeita química entre os dois jovens atores, que de certa forma quase convence o espectador de que eles são realmente grandes amigos e que se conhecem desde criança. Essa empatia entre o público e os personagens é fundamental para que as cenas posteriores causem o devido impacto a que se propõem.

       As primeiras sombras da noite já encobrem a paisagem quando a dupla chega ao vilarejo e se dirigem para uma espécie de taverna chamada “Cordeiro Massacrado”. Ao entrarem no recinto, os jovens são recebidos com uma frieza quase hostil por parte dos freqüentadores do local. A medida em que o ambiente recobra a descontração, Jack fica intrigado ao ver na parede o desenho de um pentagrama iluminado por velas. O rapaz zombeteiramente menciona com David que no filme do “Wolf-Man” aquela é a marca do lobisomem (essa é a primeira de várias citações ao clássico estrelado por Lon Chaney Jr.), portanto o símbolo na parede deve servir para manter os monstros distantes. Mal sabia ele como estava certo.

       Sem conseguir resistir a curiosidade, Jack acaba pergunto para que servia o símbolo na parede, e rapidamente ele descobre que não foi uma boa idéia. Todos os freqüentadores da taverna se mostram irritados e praticamente expulsam os dois viajantes dali, mas não sem antes advertirem novamente para que “evitem os pântanos e fiquem na estrada”, acrescentando ainda um tenebroso “cuidado com a lua”. David e Jack partem sem entender muito bem o motivo daquele comportamento estranho, enquanto na taverna as pessoas ficam discutindo: alguns acham que não adiantaria contar a verdade aos forasteiros, pois estes não acreditariam, outros achavam que foi um erro deixa-los partir, e que deveriam ir atrás deles.

       A essa altura a dupla de amigos já está andando a esmo pelos úmidos e nebulosos pântanos que circundam a região. Apenas, quando a lua cheia passa a brilhar no céu, os dois se dão conta de que saíram da estrada e se perderam. Mas é tarde demais: uma fera desconhecida passa a espreitá-los e perseguí-los em meio à escuridão, e logo o pior acontece: a terrível criatura surge de surpresa e estraçalha Jack com extrema ferocidade. Apavorado, David foge correndo, mas depois decide voltar para ajudar o amigo, sendo também atacado pela criatura. Quando David está prestes a ser morto pelo monstro, surgem os freqüentadores da taverna “Cordeiro Massacrado” e fuzilam a fera. David está muito ferido e acaba perdendo a consciência.

       Essa primeira parte do filme é desenvolvida com grande maestria, valorizando a paisagem local como um elemento a implementar o suspense, abusando dos efeitos sonoros e da subjetividade no momento em que o lobisomem está cercando os viajantes, e não poupando no sangue e na violência no momento em que os jovens são atacados. Uma seqüência memorável e que ainda hoje me parece um dos pontos altos do filme.

       Em seguida vemos David acordando em um quarto de hospital em Londres. Lá lhe explicam que ele e Jack foram atacados por um maníaco, que seu amigo acabou sendo morto, e que provavelmente ele também seria caso os moradores locais não tivessem intervindo e baleado o assassino. David tenta argumentar que eles não foram atacados por um maníaco, mas sim uma fera. Porém, acreditando que o jovem estivesse traumatizado pelo acontecido, ninguém lhe dá importância.

       Enquanto se recupera no hospital, David passa a paquerar a enfermeira Alex (Jenny Agutter) ao mesmo tempo em que é atormentado por terríveis pesadelos. Para piorar, recebe a inusitada visitada de seu amigo Jack, agora transformado em um fantasma dilacerado (mais um ótimo trabalho de maquiagem de Backer) que lhe explica que ambos foram atacados por um lobisomem, e que na próxima lua cheia David também se transformará em um. Apavorado, David pensa estar perdendo sua sanidade, mas depois que sai do hospital e vai passar uns dias na casa da enfermeira Alex, as visitas do fantasma de Jack continuam, e quando a lua cheia finalmente chega, todos sabem o que acontece...

 

OBS: Essa é uma versão editada do texto de André Bozzetto Junior publicado originalmente no site www.bocadoinferno.com

Para ler o texto na íntegra clique no link abaixo:

http://www.bocadoinferno.com/romepeige/artigos/lobilondres.html



Escrito por Lobo Mau às 22h15
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]